Em tratamento

ALIMENTAÇÃO

Uma boa alimentação é fundamental para o seu tratamento. Os pacientes que se alimentam bem neste período tendem a suportar melhor os efeitos colaterais da quimioterapia.

  • Durante o tratamento, procure se alimentar com equilíbrio, consumindo alimentos saudáveis. Prefira alimentos que contenham vitaminas e minerais (como frutas e verduras);

  • Prefira alimentos integrais e cereais, tais como pães, massas, arroz, aveia e linhaça. Esses alimentos são boas fontes de carboidratos, vitaminas e fibras;

  • Evite gordura, sal, açúcar, álcool e alimentos defumados ou artificiais, ricos em corantes e aditivos químicos. Prefira os produtos orgânicos;

  • Opte por derivados de leite desnatado, pequenas porções de carne magra, frango sem pele e peixes;

  • Normalmente, não existe contraindicação alimentar, desde que seja uma dieta balanceada e saudável. Lembre-se de ingerir uma quantidade variada de alimentos diariamente, pois nenhum alimento sozinho contém todos os nutrientes de que você precisa;

  • Coma em pequenas quantidades e mais vezes ao dia;

  • No dia da quimioterapia e no dia seguinte, você deve ingerir alimentos de fácil digestão. Evite alimentos de odores fortes, como pizza, hambúrguer e salgados fritos e/ou industrializados;

  • Consuma bastante líquido. A quimioterapia pode ser nociva para os rins. A rápida destruição celular após a quimioterapia resulta em aumento de quantidade de ácido úrico, que por sua vez, pode levar a problemas renais;

  • É necessária a ingestão de dois litros de líquidos ao dia durante o tratamento quimioterápico;

  • Você pode tomar qualquer tipo de líquido: água, suco de frutas, chá, água de coco e outros, porém evita bebidas alcoólicas e artificiais;

  • O CEOF dispõe de uma nutricionista para tirar dúvidas, dar orientações e elaborar um cardápio que seja adequado à sua necessidade. Informe-se na recepção.
     

TERAPIAS ALTERNATIVAS

Antes de iniciar qualquer terapia alternativa, como homeopatia, fitoterapia, acupuntura, reike, florais, grandes infusões de chás ou sucos para tratamento do câncer informe o seu médico.

 

EFEITOS COLATERAIS E COMO AMENIZÁ-LOS

A quimioterapia pode causar efeitos que variam de pessoa para pessoa, de acordo com o tipo de medicamento utilizado e a predisposição do indivíduo. Os efeitos indesejáveis decorrentes do tratamento desaparecem gradativamente após o seu término. Poderá levar alguns meses, mas todas as células sadias do organismo se recompõem. Entre os efeitos indesejáveis podemos citar:

 

NÁUSEAS E VÔMITOS

A quimioterapia pode causar náuseas e vômitos. No entanto, varia de pessoa para pessoa. Enquanto algumas pessoas não sentem efeitos colaterais significativos, outras podem senti-los intensamente.

 

Esses efeitos podem aparecer em alguns minutos, horas ou até dias após a sessão. Por isso, sugerimos algumas recomendações e alterações na dieta que podem reduzir a frequência ou amenizar este sintoma:

  • Tome o medicamento (anti emético) prescrito por seu médico;

  • Evite que seu estômago fique totalmente vazio ou totalmente cheio. Para isso, ingira pequenas quantidades de alimentos em intervalos de três em três horas. Evite sentir fome, isso pode estimular a sensação de náusea;

  • Beba líquido em momentos distantes das refeições (pelo menos uma hora) e nunca com a refeição:

  • Coma e beba vagarosamente;

  • Mastigue bem os alimentos, favorecendo sua digestão;

  • Evite ingerir alimentos muito doces, frituras ou comidas gordurosas;

  • Procure ingerir alimentos mornos ou na temperatura ambiente: isso favorecerá a maior percepção do sabor, além de não lesar a mucosa;

  • Caso a náusea persista pela manhã, procure ingerir alimentos secos, como torradas, cereais, biscoitos e bolos sem recheio;

  • Tome líquidos de acordo com sua preferência (sucos naturais, água de coco, vitaminas, etc.).

 

AFTAS E FERIDAS NA BOCA

A mucosite (aftas) é um dos efeitos colaterais que pode ocorrer nos pacientes que estão em quimioterapia. Elas podem aparecer no período em que as defesas do organismo estão diminuídas. Algumas recomendações para aliviar este problema:

  • Mantenha a boca sempre muito limpa, evitando creme dental com alto teor de sal ou álcool. Prefira os que contêm bicarbonato de sódio;

  • Evite o uso de fio dental neste período. Use sempre escovas de dente com cerdas macias e água morna para fazer a higiene bucal;

  • Ingira líquidos em abundância;

  • Não use soluções que contenham álcool (Ex. Cepacol);

  • Sempre que aparecer alguma lesão ou sinal de sangramento na cavidade bucal, comunique seu médico ou equipe multidisciplinar do CEOF.

 

DIARRÉIA

A quimioterapia pode causar alterações na mucosa do trato digestivo, alterando a absorção de líquidos e alterando também a flora natural. Isto pode levá-lo a apresentar diarreia (fezes líquidas mais de três vezes ao dia) e cólicas abdominais. Caso você apresente um desses sintomas por mais de 24 horas, comunique seu médico e não tome nenhuma medicação sem consultá-lo. Veja algumas dicas para auxílio em caso de apresentar diarreia:

  • Consuma alimentos em pequenas quantidades e com mais frequência;

  • Diminua o consumo de frutas e verduras cruas;

  • Procure ingerir líquidos para repor as perdas, prefira os de cor clara (água de coco, sucos naturais e água);

  • Evite bebidas gasosas (água ou refrigerante);

  • Evite ao máximo os alimentos hiperfermentativos (repolho, feijão, nozes, brócolis, couve-flor, alimentos muito doces ou condimentados). Eles podem formar gases e provocar cólicas;

  • Evite ingerir chá preto, café, refrigerantes e álcool, que irritam ainda mais a mucosa intestinal;

  • Evite ingerir leite e derivados. Experimente leite de soja ou de vaca com baixo teor de lactose se a diarreia persistir por mais de três dias;

  • Quando estiver se sentindo melhor, introduza gradualmente alimentos com menor teor de fibras, como arroz e pão brancos, cereais cozidos, banana, maçã, batatas cozidas e macarrão.

 

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL

Alguns medicamentos quimioterápicos ou para controle da dor podem prender o intestino. Existem alguns cuidados para prevenir e/ou aliviar esse efeito colateral:

  • Beba líquido abundantemente (dez copos por dia em intervalos regulares ou de hora em hora). Isso facilitará o trânsito intestinal;

  • Ingira alimentos ricos em fibras, como: verduras e frutas cruas, principalmente as laxativas (laranja com bagaço, mamão, ameixa seca, caqui, figo ou damasco) e cereais integrais;

  • Na medida do possível, faça atividades físicas, como caminhadas;

  • Você poderá ingerir uma colher de sopa de óleo de canola ou azeite de oliva (três vezes ao dia) nas saladas ou puro para ajudar a amolecer as fezes;

  • Somente use laxante mediante prescrição médica;

  • Comunique ao seu médico ou a enfermeira se a constipação persistir por mais de três dias, ou se ao evacuar ocorrer sangramento.
     

ANEMIA (BAIXO NÍVEL DE HEMOGLOBINA/HEMATÓCRITO)

A quimioterapia pode reduzir o número das células vermelhas do sangue, responsáveis pelo transporte de oxigênio no organismo. Quando estão em número reduzido, caracteriza-se um quadro de anemia. A anemia deixa o indivíduo com sensação de cansaço, desconforto respiratório acompanhado de desânimo, fraqueza muscular e dores nas pernas. Você deve relatar esses sintomas ao seu médico. Ele irá solicitar um exame de sangue para checar a contagem celular que, no caso de estar muito baixa, precisará ser reposta com medicação e/ou transfusão sanguínea. Veja algumas dicas caso você venha a desenvolver anemia:

  • Repouse ao máximo durante o dia e procure dormir bem à noite;

  • Reduza suas atividades físicas, faça somente o que é mais importante;

  • Solicite ajuda, sempre que possível, aos seus familiares e amigos;

  • Evite dirigir e fazer trabalhos pesados, como cuidar de crianças e fazer compras;

  • Faça uma dieta balanceada, com presença de carne vermelha, feijão, legumes e verduras de cor verde escura, que são fontes ricas em ferro;

  • Quando sentar ou levantar faça-o delicadamente, para evitar mal-estar.
     

PLAQUETOPENIA (BAIXO NÍVEL DE PLAQUETAS)

A quimioterapia pode diminuir o número das plaquetas existentes no sangue, levando à plaquetopenia. As plaquetas são as células responsáveis pela coagulação sanguínea e, assim sendo, alguns pacientes oncológicos podem apresentar sangramentos nos mais variados locais do organismo. Caso perceba qualquer sinal de sangramento urinário, fecal, ocular ou nasal, avise imediatamente o seu médico. Ele vai orientá-lo na reposição do número de plaquetas. Veja alguns cuidados que você pode tomar:

  • Nunca tome qualquer medicamento sem falar com seu médico, pois aspirina, por exemplo, pode interferir no processo de coagulação;

  • Não faça uso de bebida alcoólica, ingira somente quando seu médico autorizar;

  • Use escova macia para evitar sangramentos na gengiva;

  • Evite tratamento dentário durante a quimioterapia: caso isso seja necessário, consulte seu médico;

  • Limpe as narinas suavemente, evitando forçar ou friccionar;

  • Use com extremo cuidado: agulhas, tesouras, facas ou ferramentas cortantes;

  • Tenha cuidado para não se queimar na cozinha ou com o ferro de passar, usando sempre luvas de proteção;

  • Evite esportes que possam lhe causar cansaço ou exposição a esbarrões ou ferimentos.


LEUCOPENIA (BAIXO NÍVEL DE LEUCÓCITOS)

Os medicamentos quimioterápicos podem levar a uma diminuição do número de leucócitos, que são células responsáveis pela defesa do organismo, deixando-o susceptível às infecções. Essas infecções podem ocorrer em qualquer parte do corpo, como olhos, ouvidos, cavidade oral, pulmão, trato gastrointestinal, trato urinário, etc.

Seu médico vai checar o número de leucócitos constantemente e, caso seja necessário, fará um intervalo maior entre as aplicações de quimioterapia, ou ainda fazer uso de medicações que vão acelerar a produção dessas células. Em poucos dias o organismo estará completamente recuperado.

Saiba que essa situação é precisa e não causa prejuízo no resultado do tratamento. Quando o número de leucócitos está mais baixo que o normal, você deve tomar alguns cuidados para evitar infecções:

  • Evite local fechado e/ou muito movimentado, como shopping, igrejas, etc;

  • Lave as mãos com frequência durante o dia, principalmente antes das refeições e após ir ao banheiro;

  • Mantenha a área genital constantemente limpa, principalmente após cada micção ou evacuação. Caso perceba qualquer sinal de sangramento ou presença de hemorroidas, comunique seu médico ou equipe de enfermagem. Consulte-os antes de usar qualquer medicação;

  • Evite a retirada de cutículas, pois você estará retirando uma proteção natural;

  • Tenha o máximo cuidado quando precisar usar agulhas, tesouras ou facas;

  • Prefira barbeador elétrico, para evitar lesões e cortes na pele;

  • Não pressione ou arranhe espinhas ou pústulas;

  • Tome banhos mornos com esponjas macias e sabão neutro. Após o banho, use toalhas macias e hidrate o corpo com substâncias neutras. Nesse período, se sua pele estiver ressecada, não friccione;

  • Use luvas de proteção quando for lidar com plantas ou banhar animais;

  • Consuma somente água mineral, fervida ou filtrada;

  • Não tome qualquer vacina sem falar com seu médico;

  • Lave bem os alimentos, evite verduras e frutas cruas e não consuma alimentos malpassados, como carne e ovos de gema mole;

  • Evite iogurtes e embutidos neste período, caso não tenha certeza da procedência.

  • ATENÇÃO: Muitas das infecções são procedentes da própria flora do organismo: seja da pele, do trato digestivo, trato urinário ou ainda do trato genital. Você deve estar atento aos sintomas de infecção, que incluem:

  • Febre;

  • Frio/arrepios;

  • Transpiração excessiva;

  • Diarreia (efeito também comum na quimioterapia);

  • Queimação ou ardor durante a micção;

  • Presença de tosse e/ou dor de garganta;

  • Presença de secreção, principalmente nas proximidades da inserção de cateteres, sonda ou ao redor de espinhas.
     

QUANDO ALGUM DESSES SINTOMAS ESTIVER PRESENTE, COMUNIQUE SEU MÉDICO E SIGA INSTRUÇÕES.

PROBLEMA DE PELE E UNHAS

Alguns medicamentos utilizados no tratamento quimioterápico podem causar escurecimento da pele quando exposta aos raios solares, principalmente nas dobras das articulações, nas unhas e no trajeto das veias, além de deixar a pele mais ressecada. O uso cotidiano de hidratantes neutros e sem álcool melhora a sua textura.

Recomenda-se:

  • Aplicar protetor solar fator 30 nas áreas expostas ao sol;

  • Evitar exposição solar das 10 às 16 horas;

  • Usar chapéu ou boné para proteger o rosto e a cabeça;

  • Manter a pele sempre hidratada usando cremes sem álcool.
     

Use roupas frouxas que não apertem ou irritem a pele. As unhas também poderão ficar ressecadas ou quebradiças. Você pode mantê-las curtas durante o tratamento, evitando pinturas que podem agredi-las ainda mais. Evite retirar cutículas, elas protegem sua pele e suas unhas, além de evitar o risco de contaminação se houver algum corte. Se você estiver fazendo radioterapia junto com a quimioterapia, converse com seu médico sobre os cuidados com a pele no local da aplicação da radioterapia.

PERDA DE CABELO

Este efeito varia de intensidade segundo o medicamento usado e de acordo com a pessoa que está sob tratamento. Pode occorrer em todo corpo, mas é mais comum na cabeça. Em algumas pessoas não há perda de cabelo, porém, ele pode mudar de cor ou textura. Lembre-se de que o cabelo voltará a nascer após o término do tratamento. Veja algumas sugestões para diminuir a queda de cabelos:

  • Use xampu neutro e condicionador suave;

  • Evite usar secadores e, se for necessário, use ar frio;

  • Mantenha seu cabelo seco para dormir;

  • Evite prender o cabelos ou usar permanente;

  • Evite tinturas, pois elas enfraquecem o cabelo;

  • Procure usar cabelo curto. Se preferir, quando possível, guarde o cabelo para confecção de peruca;

  • Evite exposição ao sol intenso, use chapéu e evite o cloro das piscinas.

 

DOR

A dor pode acometer pacientes com câncer, constituindo-se no fator mais importante de sofrimento relacionado à doença, mesmo quando comparado a outras complicações da quimioterapia. Hoje em dia existem muitos recursos para o controle da dor. Os remédios, quando utilizados conforme orientação médica, não viciam, e cada organismo necessita de uma determinada dose, ajustada para cada situação. Portanto, caso a medicação prescrita não esteja surtindo o efeito desejado, seu médico deve ser avisado para que seja feito novo ajuste de dose.

 

As medicações para dor estão disponíveis em várias formas: cápsulas, comprimidos, gotas, injeção e até adesivos.

IMPORTANTE: Não interrompa o uso do medicamento sem avisar seu médico ou a equipe multidisciplinar do CEOF. Procure-os para nova orientação.

CUIDADOS PESSOAIS

  • Durante o tratamento, cabe ao paciente a responsabilidade de se cercar de todos os cuidados, em prol da sua saúde;

  • As defesas do organismo podem ficar alteradas, o que faz com que o paciente esteja mais vulnerável às infecções. Comunique seus amigos quanto ao risco para que possam compreender e ajudá-lo na prevenção;

  • Evite contato com pessoas que estejam gripadas ou com outras doenças infecciosas, inclusive crianças com viroses;

  • Procure não permanecer em lugares com muitas pessoas;

  • A qualquer sinal de febre, calafrios, ardor urinário ou tosse inesperada, o médico deve ser avisado;

  • Durante o período de tratamento, mantenha a boca, gengiva, dentes e próteses dentárias sempre limpos, escovando-os principalmente após as refeições. Verifique se as próteses não estão machucando a boca;

  • Utilize escovas de dente macias e evite creme dental abrasivo e fio dental;

  • Faça bochechos com uma colher de bicarbonato de sódio em um copo de água, três vezes ao dia. Se houver necessidade de ir ao dentista, informe seu médico e informe também ao seu dentista que você está em tratamento quimioterápico;

  • Cuide rigorosamente da higiene pessoal, evite banhos muito quentes. Após o banho, hidrate bem a pele do corpo;

  • Prefira xampus suaves, pentes e escovas macias. Evite usar tinturas;

  • Como o excesso de medicamento geralmente é eliminado na urina e também nas fezes, sempre que utilizar o vaso sanitário acione a descarga com a tampa abaixada, de preferência apertar duas vezes a descarga de forma continua.
     

URGÊNCIAS MÉDICAS

Entrar em contato imediatamente com médico ou a equipe do CEOF (lembramos que o telefone celular de seu médico será sempre disponibilizado e existe telefone de Sobreaviso Médico, permanente – sobretudo para eventos no período noturno e em feriados e finais de semana), caso:

  • Febre (maior ou igual a 37,8°C);

  • Diarreia líquida ou com mais de três episódios em 24 horas;

  • Náuseas e vômitos que não permitam a ingestão de alimentos ou líquidos;

  • Dor de aparecimento recente ou não controlada com medicamentos;

  • Diminuição da força nas pernas ou dificuldade para andar de aparecimento recente;

  • Sangramentos que demoram a estancar;

  • Qualquer desconforto continuo que venha a sentir.

  • Branca Ícone Instagram

Endereço e Contato

CEOF MATRIZ
 

Rod. José Carlos Daux (SC401), 5500
Square SC | Bloco Campeche B, térreo
Saco Grande | Florianópolis | SC
CEP: 88.032-005
Telefone: (48) 3222-5900

Segunda a Quinta das 8hs às 19hs e Sexta das 8h às 17hs

CEOF FILIAL
 

Rua Menino Deus, 63 | Centro
Ed. Baia Sul Medical Center
Florianópolis | SC |

CEP: 88.020-210
Telefone: (48) 3209-5900

Segunda a Sexta das 8h às 12 e 13h às 17hs (atualmente desativado devido a Pandemia)

Requisição relacionada a Lei Geral de Dados Pessoais (LGPD) - Entre em contato com o CEOF

(48) 3222-5900

dpo@ceof.com.br

Para facilitar os exercícios dos seus direitos relacionados à LGPD criamos um Formulário de Requisição de Direitos do Titular de Dados Pessoais. Ele é facultativo, mas permitirá avaliar a sua requisição de uma forma mais eficiente e segura


Encarregado pelo Tratamento de Dados Pessoais - DPO as service

Responsável Técnico: Dr. Vicente Martorano Menegotto, CRM/SC 8591, RQE 5232 – Resolução CFM n. 1794/2011